Rio Verde - Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2014 Visitas: 1422468
03:20:20
Notícias
O que acharam do nosso portal Informativo?

Excelente (78.7%)
Muito útil (8.2%)
Agradável (2.1%)
Não gostei (11.0%)
Newsletter
Não receber mais
Notícia - Prisões
03/04/2013 às 22h23min - Atualizada em 03/04/2013 às 22h23min
Polícia Civil fecha distribuidora de bebidas falsas e alambique clandestino
A falsificação e a produção da pinga eram feitas no fundo do quintal
2520 Views

Na tarde de hoje (3), Obinair Ferreira de Oliveira de 72 anos e Euripedes Maria Jacinto de 60 anos foram presos pela Polícia Civil em sua casa no Jardim Goiás. No local funcionava uma distribuidora e engarrafadora de bebidas falsas e um alambique clandestino. Foram apreendidos também vários litros e frascos de essências, rótulos falsos tampas e garrafas de bebidas renomadas , sendo algumas vazias e outras já com o falso líquido dentro.

Agentes da delegacia de  Furtos e Roubos sobre o comando do delegado Luiz Gonzaga, chegaram ao local após uma série de denuncias sobre a falsificação, uma vez que grandes distribuidoras encontraram em alguns estabelecimentos, como bares e supermercados em Rio Verde e Santa Helena de Goiás, garrafas de bebidas com características diferentes das originais como o lacre das tampas, e a cor do liquido.

Ao chegar na casa foram encontradas milhares de garrafas vazias de renomadas marcas de pinga e outras bebidas alcoólicas, bem como algumas já engarrafadas com a falsa bebida pronta para distribuição, um alambique também foi encontrado e segundo informações da polícia ele era usado para produzir o líquido que enchia as garrafas, bem como um suposta pinga artesanal que era também vendida no comércio.

Varias garrafas e vidros de essências de vários sabores e aromas foram apreendidos pela vigilância sanitária, produtos estes usados para dar o tom original às bebidas. Os suspeitos, Euripedes Maria Jacinto e Obinair Ferreira foram conduzidos à delegacia de Policia Civil e autuados em flagrante por falsificação de bebidas e produtos destinados à alimentação. Se condenados a pena prevista para este tipo de crime é de 4 à 8 anos de reclusão.



Fonte: PATRULHARV
Comentários

nenhum comentário cadastrado!

Deixe seu comentário:
(caracteres restantes: 500)
Cód. ( 3154P ):
  • Lingua Preta 65 Posts Colunista Social